Casos de Sucesso: Ar Condicionado

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 52      HFP: 59

Redução de Energia (kWh)

HP: 162.446      HFP: 1.166.477

Economia R$ 858.926,59

Casos de Sucesso: Iluminação

AeC Contact Center

Redução de Demanda (kW)

HP: 13      HFP: 13

Redução de Energia (kWh)

HP: 64.773      HFP: 883.476

Economia R$ 438.915,99

Casos de Sucesso: Iluminação

Shopping Oiapoque

Redução de Demanda (kW)

HP: 0      HFP: 0

Redução de Energia (kWh)

HP: 0      HFP: 2.196.600

Economia R$ 1.526.786,73

Casos de Sucesso: Iluminação

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 54      HFP: 80

Redução de Energia (kWh)

HP: 269.847      HFP: 2.249.971

Economia R$ 1.499.896,57

Cemig é vítima de erros do próprio governo

Presidente da Fiemg mostra indignação com leilão de usinas da companhia energética mineira.

“A Cemig é vítima de erros do próprio governo”. Assim, o presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais, Olavo Machado, reagiu à realização do leilão que tirou da Cemig, nesta quarta-feira, 27/09, as usinas de Miranda, São Simão, Jaguara e Volta Grande. “Com a decisão, o governo federal prejudica Minas Gerais, os mineiros e uma empresa que é considerada modelo em todo o mundo,” pontuou.

Ele também critica o governo pela miopia de só enxergar à sua frente a questão do déficit fiscal que, na verdade, é consequência da própria incompetência do governo na gestão dos recursos públicos. “A Cemig acaba de perder quatro de suas principais hidrelétricas em nome do combate ao déficit público. No entanto, o que estamos vendo é a farta distribuição de recursos para emendas parlamentares. Só o pacote aprovado ontem para financiar campanhas políticas, terá recursos da ordem de R$ 2 bilhões”.

Machado acrescenta que são inaceitáveis as razões apontadas pelo executivo federal para justificar o confisco das usinas pertencentes à Cemig. “Afinal todos sabemos que não é missão do setor elétrico gerar receitas para resolver problemas decorrentes da má gestão das finanças públicas”. Disse também que ao setor elétrico compete gerar energia para sustentar o crescimento da economia brasileira que ainda convive com os efeitos da pior recessão de sua história.

O líder empresarial destaca ainda que o investido estrangeiro é sempre bem vindo. Por outro lado, também pontua que a indústria nacional merece ser respeitada. “Investimentos estrangeiros são essenciais para garantir infraestrutura e o futuro do país. Entretanto, nossa indústria merece e deve ser valorizada, pois é ela que gera e multiplica riquezas, oportunidades de desenvolvimento socioeconômico e empregos,” critica.

O presidente da Fiemg finalizou afirmando que a consequência imediata da venda das usinas da Cemig será, com certeza, o aumento das tarifas. “Mais uma vez o consumidor pagará a conta”. Além disso, Machado mostra preocupação com o que aguarda a Cemig. “Certamente haverá um quadro de revisão estrutural e fatalmente trabalhadores competentes e preparados poderão perder seus empregos,” diz.

Fonte: O Debate