Casos de Sucesso: Iluminação

Shopping Oiapoque

Redução de Demanda (kW)

HP: 0      HFP: 0

Redução de Energia (kWh)

HP: 0      HFP: 2.197.800

Economia R$ 1.527.620,81

Casos de Sucesso: Iluminação

AeC Contact Center

Redução de Demanda (kW)

HP: 13      HFP: 13

Redução de Energia (kWh)

HP: 64.831      HFP: 884.268

Economia R$ 439.309,46

Casos de Sucesso: Iluminação

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 54      HFP: 80

Redução de Energia (kWh)

HP: 270.067      HFP: 2.251.811

Economia R$ 1.501.123,48

Casos de Sucesso: Ar Condicionado

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 52      HFP: 59

Redução de Energia (kWh)

HP: 162.615      HFP: 1.167.688

Economia R$ 859.818,05

Brasil, o campeão de raios!

Entenda como e por que ocorre este fenômeno.

No dia a dia, os fenômenos meteorológicos influenciam diretamente na vida das pessoas e não apenas na saúde, bem-estar, no vestuário, economia ou no planejamento de atividades esportivas. Grandes desastres catastróficos e destrutivos, por exemplo, causam prejuízos econômicos e até a morte de animais e seres humanos.

Dentre os fenômenos atmosféricos que podem causar sérios problemas, estão os raios que são descargas elétricas intensas que ocorrem a partir de nuvens carregadas, devido à eletrização que ocorre pelo atrito entre nuvens, entre o ar e as nuvens, e por colisões das partículas de gelos no interior das nuvens, formando o excesso de cargas elétricas.

Segundo Nilton Oliveira Moraes, meteorologista da Squitter Soluções em Monitoramento Ambiental, para a ocorrência de raios é necessária a existência de cargas com sinais opostos (negativos e positivos) entre as nuvens ou entre o solo e a nuvem. “Quando essa condição existir, a atração entre as cargas fica tão grande que provoca a descarga elétrica”, explica Nilton.

Alguns fatores influenciam na formação dos raios, como o relevo que forçam as massas de ar úmido a subirem, formando nuvens de grande desenvolvimento vertical e sistemas meteorológicos como frentes frias, ciclones extratropicais e complexos convectivos.

O Brasil é o campeão mundial de incidência de raios, com mais de 50 milhões caindo todos os anos. “E infelizmente, a cada 50 mortes por raios no mundo, um ocorre no nosso país. Do ano de 2000 a 2014 foram totalizadas 1.972 mortes, sendo o Estado de São Paulo com mais registros fatais, seguido de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Pará”, conta o meteorologista.

Diante disso, as pessoas, ao ouvirem um barulho característico de queda de raio, o trovão, devem se proteger tomando algumas medidas simples, como:

– Evitar ficar em campo aberto, como praias e campos de futebol;
– Não ficar perto de objetos que conduzem eletricidade, como telefone com fio ou celular conectado ao carregador;
– Não ficar embaixo de árvores e perto de cercas;
– Ficar em abrigo fechado e não em abrigos abertos como sacadas e varandas.

Além das perdas humanas, o fenômeno causa prejuízos gigantescos tanto para a natureza quanto na economia. Na natureza, os raios podem ser responsáveis por incêndios florestais e morte de animais, principalmente quando estes estão próximos a cerca de arame e embaixo de árvores.

Na economia, as descargas atmosféricas são responsáveis por um grande número de desligamentos das linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica. As navegações marítimas e aéreas também acumulam prejuízos com a atuação do fenômeno de descargas elétricas.
Informações para Imprensa

Fonte: O Debate – Portal de Noticias