Casos de Sucesso: Iluminação

AeC Contact Center

Redução de Demanda (kW)

HP: 13      HFP: 13

Redução de Energia (kWh)

HP: 64.773      HFP: 883.476

Economia R$ 438.915,99

Casos de Sucesso: Iluminação

Shopping Oiapoque

Redução de Demanda (kW)

HP: 0      HFP: 0

Redução de Energia (kWh)

HP: 0      HFP: 2.196.600

Economia R$ 1.526.786,73

Casos de Sucesso: Ar Condicionado

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 52      HFP: 59

Redução de Energia (kWh)

HP: 162.446      HFP: 1.166.477

Economia R$ 858.926,59

Casos de Sucesso: Iluminação

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 54      HFP: 80

Redução de Energia (kWh)

HP: 269.847      HFP: 2.249.971

Economia R$ 1.499.896,57

Após boom, venda de LED’s sofre queda

Ao contrário de 2015, venda de LED cai em 2016.

O último ano registrou um disparo nas vendas de lâmpadas de LED no país, o que, em parte, foi impulsionado pelo excessivo aumento do custo da energia, mas também devido à oferta da tecnologia a preços mais acessíveis.

Segundo dados da Abilux, em um ano o consumo de LED no país triplicou, passando de 27 milhões para 81 milhões de unidades. Ele já corresponde a 55% do mercado de iluminação, seguido das fluorescentes compactas, com 30%, e o restante são outras tecnologias.

Além da instabilidade econômica que afetou o consumo, a indústria de iluminação ainda enfrenta a concorrência com produtos de baixa especificação e preços mais atrativos que absorvem uma fatia do mercado, o que deverá ser superado com a entrada em vigor da certificação.

A partir de julho do ano que vem o comércio não poderá mais vender LED fora dos padrões mínimos de eficiência. Enquanto isso, a indústria tem até outubro deste ano para desovar seus estoques sem certificação.

Fim da incandescente

Em 30 de junho inicia a última etapa da retirada das incandescentes do mercado, com o fim da comercialização por fabricantes e importadores dos modelos entre 25 e 40W, mas elas ainda poderão ser vendidas pelo comércio até junho de 2017.

A iniciativa faz parte do processo de retirada gradual dos produtos de iluminação sem eficiência do mercado, que começou em 2012 como parte da política nacional de eficiência energética e foi responsável pelo fim da comercialização das incandescentes de 150W a 40W.

Fonte: Lâmpadas Golden

Fonte: O Debate – Portal de Noticias