Casos de Sucesso: Ar Condicionado

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 52      HFP: 59

Redução de Energia (kWh)

HP: 131.930      HFP: 947.347

Economia R$ 697.571,41

Casos de Sucesso: Iluminação

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 54      HFP: 80

Redução de Energia (kWh)

HP: 229.894      HFP: 1.916.846

Economia R$ 1.277.825,99

Casos de Sucesso: Iluminação

Shopping Oiapoque

Redução de Demanda (kW)

HP: 0      HFP: 0

Redução de Energia (kWh)

HP: 0      HFP: 1.979.400

Economia R$ 1.375.817,93

Casos de Sucesso: Iluminação

AeC Contact Center

Redução de Demanda (kW)

HP: 13      HFP: 13

Redução de Energia (kWh)

HP: 54.263      HFP: 740.124

Economia R$ 367.697,89

Residências no EUA já usam bateria solar conectada à rede

Estudo aponta que a conexão com a rede é superior aos modelos isolados.

Relatório da empresa GTM Research, “The Residential Battery Storage Playbook 2017” (A Cartilha do Armazenamento em Bateria Residencial, em tradução livre), reúne dados das instalações de baterias residenciais nos Estados Unidos. Segundo a pesquisa, até final do ano, instalações de baterias em sistemas On-Grid (conectados à rede) supera aquelas feitas em sistemas Off-Grid (isolados).

Em 2016, havia cerca de 4.400 baterias instaladas em todo o território americano, sendo 86% em sistemas isolados. Já para 2017, a empresa prevê que 57% das instalações serão em sistemas conectados à rede.

Os estudos também estimam que, até 2022, 99% das baterias instaladas serão On-Grid. Apesar do número de instalações não seguir um padrão específico, a diminuição dos preços das baterias, entre outros fatores, indicam o contínuo crescimento das baterias solares conectadas à rede.

Baterias solares Ninguém duvida que as baterias solares residenciais são o próximo passo da revolução energética iniciada com os sistemas fotovoltaicos e, com a contínua queda de seus preços, elas já começam a se tornar mais frequentes em instalações conectadas à rede (On-Grid) do que nas instalações isoladas (Off-Grid) nos EUA.

Fonte: O Debate