Casos de Sucesso: Iluminação

Shopping Oiapoque

Redução de Demanda (kW)

HP: 0      HFP: 0

Redução de Energia (kWh)

HP: 0      HFP: 2.149.800

Economia R$ 1.494.257,54

Casos de Sucesso: Ar Condicionado

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 52      HFP: 59

Redução de Energia (kWh)

HP: 155.871      HFP: 1.119.261

Economia R$ 824.159,45

Casos de Sucesso: Iluminação

AeC Contact Center

Redução de Demanda (kW)

HP: 13      HFP: 13

Redução de Energia (kWh)

HP: 62.509      HFP: 852.588

Economia R$ 423.570,65

Casos de Sucesso: Iluminação

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 54      HFP: 80

Redução de Energia (kWh)

HP: 261.238      HFP: 2.178.192

Economia R$ 1.452.047,11

Microgeração de energia chega a mais de 17 mil conexões

Minas Gerais e São Paulo são os estados com o maior número de conexões.

Nos últimos anos, a geração própria de energia cresceu no mundo e no Brasil. Segundo a Agencia Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o país tem hoje 17.408 conexões de energia distribuída, sendo 13 mil de consumo residencial. Contudo, a energia solar representa apenas 1% da matriz energética brasileira.

Segundo Anaibel Novas, gerente da Unidade de Negócio de Energia Solar da empresa de energia Fronius, a população tem investido cada vez mais em energia sustentável devido a fatores como: constantes secas, crise hídrica e aumentos das tarifas de energia elétrica. No entanto, ela comenta que ainda faltam incentivos do governo em relação ao uso e conhecimento da população em energias alternativas. “A Fronius tem realizado campanhas de conscientização sobre os benefícios da energia solar fotovoltaica e acredita que é possível um mundo totalmente abastecido por energias renováveis” explica.

A especialista também cita alguns benefícios da geração própria de energia. “Além de trazer redução de custos na conta elétrica, é comprovado que há valorização do imóvel, baixo impacto ambiental, energia inesgotável e redução das emissões de fases dos efeitos estufa. O investimento de R$ 12 mil em todo sistema fotovoltaico em uma residência é revertido em torno de sete a oito anos”, ressalta.

Fonte: O Debate