Casos de Sucesso: Iluminação

AeC Contact Center

Redução de Demanda (kW)

HP: 13      HFP: 13

Redução de Energia (kWh)

HP: 54.263      HFP: 740.124

Economia R$ 367.697,89

Casos de Sucesso: Ar Condicionado

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 52      HFP: 59

Redução de Energia (kWh)

HP: 131.930      HFP: 947.347

Economia R$ 697.571,41

Casos de Sucesso: Iluminação

Hospital Felício Rocho

Redução de Demanda (kW)

HP: 54      HFP: 80

Redução de Energia (kWh)

HP: 229.894      HFP: 1.916.846

Economia R$ 1.277.825,99

Casos de Sucesso: Iluminação

Shopping Oiapoque

Redução de Demanda (kW)

HP: 0      HFP: 0

Redução de Energia (kWh)

HP: 0      HFP: 1.979.400

Economia R$ 1.375.817,93

Adesivo gera energia pelo suor da pele

Dispositivo feito de biocélula é capaz de alimentar diversos equipamentos eletrônicos de vestir.

O adesivo é uma célula de combustível projetada para ser colada sobre a pele, que utiliza o suor humano como combustível. O modelo criado gera 10 vezes mais energia por área superficial do que qualquer dispositivo semelhante já demonstrado.

Equipamentos eletrônicos de vestir, como monitores de saúde, rádios bluetooth ou pequenas lanternas de LED, para sinalização de ciclistas e corredores à noite, são alguns exemplos do que pode ser alimentado pela energia gerada pela biocélula.

O dispositivo funciona por meio de uma enzima que oxida o ácido lático presente no suor humano para gerar eletricidade. A eletricidade é transportada por nanotubos de carbono dispostos em uma matriz 3D.

A biocélula é conectada a um conversor DC/DC para que a energia disponibilizada tenha potência e tensão constantes, uma vez que a quantidade de suor produzida pelo usuário oscila.

Ainda restam alguns desafios para que o dispositivo seja prático. Por exemplo, o óxido de prata utilizado é sensível à luz, degradando-se com o tempo. Além disso, o ácido lático no suor se dilui ao longo do tempo, o que significa que a biocélula gera uma quantidade decrescente de energia.

Fonte: O Debate